Chá quente

Cúmulos...

Crónicas de Segunda 9

Crónicas de Segunda 8

Crónicas de Segunda 7

Antíteses portuguesas

Chá frio

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

Perguntas e respostas sobre uma mesquita

- Pode ser construída uma mesquita no “ground zero”?

Pode, basta que haja terreno e se respeitem as regras de construção.

 

- Os americanos podem ficar zangados?

Podem, até porque muitos associam os muçulmanos ao ataque terrorista no local.

 

- Mas foram os muçulmanos que deitaram abaixo as torres do WTC?

Não, as torres foram deitadas abaixo “por” muçulmanos, não “pelos” muçulmanos.

 

- Mas como nasceu essa colagem dos muçulmanos ao terrorismo?

Bem, é um pouco injusta essa colagem porque o extremismo não escolhe nem religião, nem cor da pele ou nacionalidade. Porém, a guerra dirigida por alguns extremistas islâmicos ao modo de vida ocidental tem estado nas preocupações deste mundo globalizado.

 

- E Obama dever-se-ia ter metido nesta guerra?

Claro. Um presidente é sempre a reserva moral de um povo. Deve saber defendê-lo, compreendê-lo, mas não deve deixar ficar no bolso os puxões de orelha quando eles são necessários. Aqui, era importante lembrar ao povo que o Ocidente é aberto, humano e democrata.

 

- Mas… e a comunidade muçulmana deveria ter pedido para construir ali uma mesquita?

Não conhecendo as motivações, cumpre-nos sempre tentar encontrar as melhores justificações. Numa palavra, devemos “contemporizar”. Eis algumas justificações possíveis:

* era um terreno disponível, eventualmente único, e queriam usá-lo.

* era uma forma de também eles exorcizarem os seus males de alma, porque não foram só os “americanos de gema” que sofreram.

* era uma forma de se reconciliarem com aquele espaço e episódio.

* era uma forma de dizerem: “somos contra o terrorismo, o mal que fizeram também nos atingiu”

* ou de dizerem: “nós também somos americanos”, com tudo o que isso implica.

 

uma infusão de Paulo Colaço às 01:28
link directo | vai uma chávena?

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Analytics

Chávenas recentes

If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...
Caro António Saraiva, uma releitura do título dest...