Chá quente

Cúmulos...

Crónicas de Segunda 9

Crónicas de Segunda 8

Crónicas de Segunda 7

Antíteses portuguesas

Chá frio

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Quarta-feira, 10 de Abril de 2013

A (única) ditadura que aceito

Há uns anos, chegando a Ministro das Finanças, um certo governante anunciou de imediato as seguintes medidas, aqui transcritas textualmente:

 

a) que cada Ministério se compromete a limitar e a organizar os seus serviços dentro da verba global que lhes seja atribuída pelo Ministério das Finanças;

b) que as medidas tomadas pelos vários Ministérios, com repercussão directa nas receitas ou despesas do Estado, serão previamente discutidas e ajustadas com o Ministério das Finanças;

c) que o Ministério das Finanças pode opor o seu «veto» a todos os aumentos de despesa corrente ou ordinária, e às despesas de fomento para que se não realizem as operações de crédito indispensáveis;

d) que o Ministério das Finanças se compromete a colaborar com os diferentes Ministérios nas medidas relativas a reduções de despesas ou arrecadação de receitas, para que se possam organizar, tanto quanto possível, segundo critérios uniformes.

 

Há dias, algo semelhante foi anunciado pelo ministério de Vítor Gaspar. Resultado: toda a gente estremeceu, comentou, repudiou.

 

Estas limitações ao funcionamento dos ministérios e serviços público, a que vulgarmente se chama de “ditadura do Ministro das Finanças”, já vêm de longe. Não são novidade. Gaspar não é o primeiro nem será o último a ter de lembrar duas coisas aos portugueses:

- só se pode gastar o que há

- nem tudo o que há se pode gastar

 

E a minha dúvida é a seguinte: quantos mais anos levaremos a perceber que Portugal tem de viver em permanente ditadura do Ministro das Finanças?

 

Já agora, o discurso acima foi feito por António de Oliveira Salazar.

uma infusão de Paulo Colaço às 12:04
link directo | vai uma chávena?
quem já bebeu:
De Alexandra a 11 de Abril de 2013 às 17:53
Só não se percebe é que isto seja feito em jeito de castigo. "Não fizeste a cama? Não te dou dinheiro para os doces"... Esse certo governante um dia caiu da cadeira. É o que espero que aconteça a Gaspar a breve prazo... mesmo que só em sentido figurado.
De António Saraiva a 12 de Abril de 2013 às 12:19
Quase ...até talvez de acordo com o acerto da contabilidade...embora o autor do texto me provoque calafrios...mas isto é dirigir um país?...Qual o legado que o de Santa Comba nos deixou ?...
Falta o resto...que não é pouco...que é mesmo muito e ...não se vê nada...porque legado como aquele... nem o autor do blog o deve querer...
Haja Deus!
De Paulo Colaço a 12 de Abril de 2013 às 12:28
Caro António Saraiva, uma releitura do título deste post permitirá perceber com clareza o que eu acho desse legado e dos legados das ditaduras.
Porém, não confundo a árvore com a floresta: mesmo no entulho se podem encontrar tesouros.
Na realidade, sem rédea curta nos gastos do Estado não há património que resista.
Eu sei que nem todos somos assim com o nosso dinheiro ou com o dinheiro dos nossos pais, patrões, cônjuges, etc. E são esses perdulários os que mais se chocam quando alguém tenta introduzir alguma sensatez no gasto.
E a verdade é que estamos todos a sofrer devido a essa falta generalizada de sensatez.
De António Saraiva a 15 de Abril de 2013 às 09:33
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos gastos visa atingir o Estado que alguma coisa pode dar à dita arraia, a miúda...a rédea larga, ainda que submersa nalguma clandestinidade por pouca atenção duma informação massajada, colonizada, vai continuar para os mesmos, os do costume que vociferam contra o Estado mas que o sorvem ... a gente sabe.
Acutilante a entrevista de Mário de Carvalho ao Jornal de Negócios de 12/4 (fim de semana) aborda a s questões da "actualidade2 com finura, sinceridade...

comentar

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Analytics

Chávenas recentes

If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...
Caro António Saraiva, uma releitura do título dest...