Chá quente

Um poema no feminino: o t...

Precauções alimentares

...

Morreu há 104 anos

Poética I

Chá frio

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

Um poema no feminino: o tempo que isto tem!!!

Se Bocage fosse vivo

E me quisesse retratar,

Saberia melhor eu

Que palavras aqui usar.

 

Mas ele já Bocage não é

E eu Bocage nunca fui!

Conto assim só comigo

Para sair do meu abrigo

E falar-vos de tudo aquilo

Que em mim conflui!

 

Não sou alta nem baixa

Nem gorda nem palita:

Sou a caixa ideal

Para quem lá habita.

 

Sou sempre morena para quem me vê

Com os olhos que traz na cara.

Mas a esperta visão da alma

Dá-me cores diferentes

E muito conforme a calma

Do atento espectador...

 

Há dias de grande brilho,

E por dentro sou um sol,

Mas noutros o negro invade

E fico triste, cansada e mole.

 

Porém nem tudo é de extremos:

Há gradações nesta inês!

Alegria contida, fúria declarada,

Calma pachorrenta, pulsação acelerada!

Amores mais que uma vez

E choros sem porquês!

 

Se o Génio de Aladino

Um desejo me conceder,

A frescura dos meus lábios

Lhe pediria para manter.

 

São quentes e rosados seres

Que anseiam macios prazeres.

E em segredo perguntam à boca:

- De quem será o doce beijo

Que pedem os lábios da

Ironoca?

O Bule: ,
uma infusão de Paulo Colaço às 01:29
link directo | vai uma chávena?
Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

Precauções alimentares

Era uma vez duas serpentes que não gostavam uma da outra. Um dia encontraram-se num caminho muito estreito e como não gostavam uma da outra devoraram-se mutuamente. Quando cada uma devorou a outra não ficou nada. Esta história tradicional demonstra que se deve amar o próximo ou então ter muito cuidado com o que se come.

(Ana Hatherly)

uma infusão de Paulo Colaço às 21:12
link directo | vai uma chávena?
Domingo, 25 de Abril de 2010

...

Já quase a fechar este dia 25 de Abril, segue um poema de Bocage que bem podia ser um poema do 24 de Abril:

 

 

Mote: A morte para os tristes é ventura

 

Quem se vê maltratado, e combatido

Pelas cruéis angústias da indigência

Quem sofre de inimigos a violência,

Quem geme de tiranos oprimido:

 

Quem não pode ultrajado, e perseguido

Achar nos céus, ou nos mortais clemência,

Quem chora finalmente a dura ausência

De um bem, que para sempre está perdido:

 

Folgará de viver, quando não passa

Nem um momento em paz, quando a amargura

O coração lhe arranca e despedaça,

«A morte para os tristes é ventura.»

 

uma infusão de Paulo Colaço às 22:27
link directo | vai uma chávena? | quem já bebeu (1)
Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009

Morreu há 104 anos

 Da minha ingrata Flérida gentil

Os verdes olhos esmeraldas são;
E de cândida prata a lisa mão,
Onde eu dum beijo passaria a mil:
 
A trança ,cor do Sol,rede subtil
Em que se foi prender meu coração,
É d,ouro,o pai da túmida ambição,
Prole fatal do cálido Brasil:
 
Seu peito delicado e tentador
É porção de alabasto,a quem jamais
Penetraram farpões do deus traidor;
 
Mas como há-de a tirana ouvir meus ais,
Como há-de esta cruel sentir amor,
Se é composta de pedras e metais!
 
uma infusão de Paulo Colaço às 00:27
link directo | vai uma chávena?
Quinta-feira, 9 de Julho de 2009

Poética I

De manhã escureço

De dia tardo

De tarde anoiteço

De noite ardo

 

(Vinicius)

 

uma infusão de Paulo Colaço às 17:06
link directo | vai uma chávena?
Quarta-feira, 25 de Março de 2009

Estranha forma de vida

Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
para, deixa de bater.
Se não sabes aonde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

 

(ouvir)

O Bule: , ,
uma infusão de Paulo Colaço às 01:11
link directo | vai uma chávena?
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

Um enigma, um prémio

 

«Olha. Sabes? Lá em Florença
está guardado um dedo da tua mão direita num relicário.
Palavra de honra que está!
As voltas que o mundo dá!
Se calhar até há gente que pensa
que entraste no calendário.»

 

Este é um excerto de um poema de António Gedeão.

É dedicado a Galileu.

 

Quem enviar para o meu email (pauloriomaior@gmail.com) a resolução deste quase enigma, recebe um prémio.

(tem de o vir buscar à Punch)

 

uma infusão de Paulo Colaço às 11:43
link directo | vai uma chávena? | quem já bebeu (1)

Poema do fecho éclair

Filipe II tinha um colar de oiro,

tinha um colar de oiro de pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de coiro,
com fivela de oiro,
olho de perdiz.
 
Comia num prato
de prata lavrada
girafa trufada,
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha,
de cristal de rocha
do mais transparente.
 
Andava nas salas
forradas de Arrás,
com panos por cima,
pela frente e por trás.
Tapetes flamengos,
combates de galos,
alões e podengos,
falcões e cavalos.
 
Dormia na cama
de prata maciça
com dossel de lhama
de franja roliça.
 
Na mesa do canto
vermelho damasco,
e a tíbia dum santo
guardada num frasco.
 
Foi dono da Terra,
foi senhor do Mundo,
nada lhe faltava,
Filipe Segundo.
 
Tinha oiro e prata,
pedras nunca vistas,
safiras, topázios,
rubis, ametistas.
Tinha tudo, tudo,
sem peso bem conta,
bragas de veludo,
peliças de lontra.
Um homem tão grande
tem tudo o que quer.
 
O que ele não tinha
era um fecho éclair.

 

(António Gedeão)

 

uma infusão de Paulo Colaço às 11:32
link directo | vai uma chávena?
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Osama Villaret

Um professor de literatura árabe vai publicar poemas de Bin Laden. Flagg Miller descobriu que Laden recitava poesias em festas. "Ele é um poeta habilidoso, com boas rimas e métrica", disse. Estou mesmo a ver o tipo de poemas:

 
Lado a lado, duas torres
Com escadinhas e salas
Direitinhas que metem nojo
‘inda hei-de derrubá-las
 
Naqueles unidos Estados
Tão livres que minh’alma chora
Quero fazer grandes estragos.
Vinde comigo! ‘Bora?
 
É preciso alguém ser
O líder da Jihad!
Se não for eu,
Quem é que há-de?
 
(poema apócrifo de OBL)
uma infusão de Paulo Colaço às 18:42
link directo | vai uma chávena?
Domingo, 17 de Agosto de 2008

Carlos Drummond de Andrade

João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém.

João foi para o Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história.

 

Morreu há 21 anos.

Sobrevivem-lhe as palavras.

 

 

uma infusão de Paulo Colaço às 03:18
link directo | vai uma chávena?

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Analytics

Chávenas recentes

If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...
Caro António Saraiva, uma releitura do título dest...