Chá quente

António Barreto nunca des...

Bruno de Carvalho foi à Ó...

Coisas que a História nos...

O efeito Rio

Um dilema chamado Ronaldo

Chá frio

Junho 2018

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Terça-feira, 29 de Julho de 2008

Como disse?

A propósito da exclusividade dos médicos no SNS, o bastonário afirmou: "o médico é um cidadão como outro qualquer e portanto quando acaba as horas de trabalho que contratualizou com uma empresa, seja pública ou privada, faz o que bem entender".

 

Não sei se a Ordem dos Médicos tem um jurista nos seus quadros. Caso tenha, o que diria o Bastonário se depois das horas de trabalho, esse jurista fosse dar uma perninha ao Ministério da Saúde?

uma infusão de Paulo Colaço às 15:01
link directo | vai uma chávena?
quem já bebeu:
De Zé da Burra o Alentejano a 30 de Julho de 2008 às 16:34
Eis uma medida que parece boa mas não é: visa dificultar o cruzamento de interesses entre o Serviço Nacional de Saúde (Público) e os Serviços Privados de Saúde, o que eliminaria a suspeita (fundada ou talvez não) de favorecimento no SNS de doentes vindos de clínicas privadas onde os médicos do SNS também trabalham, ou o encaminhamento de doentes do SNS para as clínicas privadas onde esses médicos também trabalham.
A medida é péssima, mormente quando se sabe da extrema carência de médicos e de outros profissionais de saúde. Assim, a medida irá provocar apenas a debandada dos médicos para as muitas clínicas privadas que estão agora a abrir e que lhes dão muito melhores condições monetárias e outras.
Uma medida destas teria que ser preparada com uma década de antecedência, aumentando consideravelmente o número de vagas nas faculdades de medicina de modo a que tivéssemos médicos (e outros profissionais de saúde) em quantidade suficiente.

Mas na realidade, os nossos Governantes nunca o fizeram e a "Ordem dos Médicos" é uma organização corporativa que defende apenas o interesse dos actuais médicos e dificulta o acesso à profissão a novos profissionais. Daí a ser sempre contra a aumento de vagas nas faculdades de medicina, apesar de todos nós constatarmos a extrema necessidade de as aumentar. É que mais médicos significa enfraquecimento da classe, porque a regra de mercado "de Oferta e da Procura " também se aplica aos médicos. Mais médicos poderá representar que alguns se possam aceitar regras que outros rejeitam (por exemplo: esta regra que se quer impor).

E não interessa o rácio de médicos por habitante, porque se todos trabalharem nas clínicas privadas a generalidade dos cidadãos não poderão aceder à saúde. Além disso, Portugal tinha até obrigação de formar profissionais de saúde para para os PALOP que deles muito necessitam e mais valia o país apostar nisso do que em cursos sem saídas profissionais que servem apenas para dar emprego a professores universitários.

Assim, esta medida será apenas mais uma ajuda ao abate do SNS!

De Paulo Colaço a 30 de Julho de 2008 às 16:43
Caro Zé da Burra,
agradeço o seu texto, muito claro sobre este tema.

Concordo consigo e é também essa a minha opinião, como pode verificar se entrar (recomendo e agradeço) nesta discussão do Psicolaranja: http://psicolaranja.blogspot.com/2008/07/sns-rip.html

O que tentei foi explicar (aqui e no Psico) que a exclusividade não é um conceito aberrante.
Muitas vezes, ou quase sempre, pretende impedir aproveitamentos em caso de conflitos de interesse.

"A exclusividade é um conceito normalíssimo. Tal com o dever de sigilo, a omissão de drogas nos funcionários dos casinos, etc.
Neste tema acho que a exclusividade não ia resolver nada.
No entanto, se o SNS fosse de qualidade e se houvesse médicos com fartura, não tenham dúvidas: exclusividade na hora."

Saudações

comentar

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Chávenas recentes

Dou o exemplo da ascensão de Hitler tantas vezes.É...
If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...