Chá quente

António Barreto nunca des...

Bruno de Carvalho foi à Ó...

Coisas que a História nos...

O efeito Rio

Um dilema chamado Ronaldo

Chá frio

Junho 2018

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

Um texto com 14 ou 15 anos

CARTA A UM QUERIDO PROFESSOR ESCRITA NA FOLHA DE RESPOSTAS DO EXAME...

 

Excelentíssimo e muito querido Sr. Professor,

 

antes de mais, desejo apresentar-me solenemente: chamo-me X, moro em y e tenho a honra de ser seu aluno nesta cadeira.

 

Venho, deste modo, expressar o meu profundo respeito por V. Exc. e agradecer-lhe as mui iluminadas aulas que teve a bondade de nos leccionar - fui informado pelos meus colegas da grandiloquência das suas prédicas! Espero neste segundo semestre averiguar pessoalmente a veracidade das histórias que aos meus pavilhões auriculares arribaram.

 

Estarei sempre na primeira fila e, para melhor me identificar, usarei um papillon vermelho, mas se preferir, terei um verde e outro azul de reserva.

 

Serei sempre o primeiro a entrar e o último a sair (incluindo serviço de porteiro e de bagageiro, se tal for do seu agrado). As pétalas de rosa também irão constar do seu quotidiano nesta casa de cultura, mas só a partir do próximo mês pois as flores de estufa tornam-se economicamente inviáveis.

 

Devo informá-lo de que comecei na semana passada um curso de manicure/pedicure/massagem capilar; deste modo já pode contar com estes serviços durante as aulas: estou certo de que irá redobrar o seu prazer de leccionar e fazê-lo com todo o relaxamento necessário

 

Como estou a estagiar numa pastelaria da minha zona, conto ter no segundo semestre prática suficiente para lhe oferecer um esmerado serviço de bar e cafetaria - tudo à minha conta - enquanto inunda os seus discentes com todo o seu saber, conferindo-lhes mais uma razão para esta pesarosa vida, a qual encontra na sua cadeira o único momento de ócio, desopilanço e iluminação.

 

Relativamente ao corte de cabelo, lamento dizer-lhe mas só sei fazer o “corte à escovinha”, todavia, se gostar mais de um outro estilo, poderei tirar um curso intensivo para que V. Exc. esteja sempre na moda.

 

Como qualquer outro discípulo (mas melhor) a minha missão nesta vida é fazer com que o meu mestre se sinta bem, tenha o ego bem levantado. Por isso aplaudirei de pé (e com ligação a duas colunas) todas as iluminadas intervenções que Vossa Sapiência realizar, se for necessário farei uso de um chicote para que todos me acompanhem nessa justa homenagem ao nosso “professorzinho”.

 

Também não deixarei que se canse muito, por isso, se V. Exc. concordar, proporcionar-lhe-ei um serviço de virar de páginas de apontamentos (com ou sem cuspo). Não que necessite deles para ler…, perdão, para dar as aulas mas utiliza-as como exemplo aos seus alunos, para que possam ver que o Sr., mesmo com uma certa idade, ainda lê muito e estuda bastante.

 

Farei o possível e o impossível para responder às suas perguntas, sobretudo às que não faça.

 

No que toca ao conforto pessoal, já mandei trazer uma poltrona aconchegante munida de ar condicionado. Acaso não seja apreciador destas modernidades, posso perfeitamente partir a parede da sala e construir uma lareira com duas modalidades: lume quente e lume frio.

 

Se for do seu agrado, sentir-me-ei feliz em lhe cantar uns temas musicais do meu vasto repertório que inclui modas do Alentejo, cantares dos Balcãs e assobios de acasalamento dos Trópicos. Poderei abrilhantar a minha actuação com a coreografia das danças de guerra da tribo dos Pimbex da Polinésia ou com sapateado de fandango - com ou sem varapau. Tudo isto enquanto vou murmurando indizíveis cabalas maçónicas e o Sr. dá a sua magnífica aula…

 

Estou disponível também para elaborar e corrigir os testes dos outros e sobretudo o meu (com absoluta garantia de parcialidade e injustiça, como é típico de V. Senhoria). No que diz respeito às orais, para que se vem cansar V. Exc.? Envie as perguntas por cassete e eu encarrego-me de arbitrariamente decidir quem passa e quem não passa. E esteja descansado que aplicarei a sua generosa escala de 0 a 10. Porém, se V. Sapiência por qualquer motivo (que não sadismo certamente) decidir que vem fazer as orais, eu encarrego-me de realizar cá fora a tortura psicológica junto dos “colegas”, para que lá dentro não tenha de se esforçar tanto.

 

É claro que tudo isto só sucederá se houver receptividade de V. parte às minhas pretensões, que aliás são modestas assim como a minha pessoa: contento-me com um 18 no final do ano!

 

Caso não colabore, terei de fazer apelo às relações de boa vizinhança que mantenho com certos indivíduos do meu bairro (Chelas) e convidá-lo-ei a connosco vir dar um passeio à Quinta das Tabuletas, sabendo de antemão que nós regressaremos… o Sr. é que não!

 

(texto a quatro mãos: as minhas e as do bom amigo e colega de faculdade Rui Lopes)

 

uma infusão de Paulo Colaço às 02:42
link directo
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Chávenas recentes

Dou o exemplo da ascensão de Hitler tantas vezes.É...
If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...