Chá quente

António Barreto nunca des...

Bruno de Carvalho foi à Ó...

Coisas que a História nos...

O efeito Rio

Um dilema chamado Ronaldo

Chá frio

Junho 2018

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Terça-feira, 16 de Setembro de 2008

Reflexão sobre eleições directas

Instado pelo Jorge Fonseca Dias, no Psico, reflecti sobre as eleições directas versus voto representativo. Aqui fica:

 

« 

As Directas são um berbicacho.
Aos que são contra, apelidam de pouco democráticos.
Os que são a favor ficam com o rótulo de caciqueiros.
 
A verdade é que ambas as opções têm qualidades e defeitos.
 
As “qualidades”
DIRECTAS: “um homem, um voto” parece-me um princípio basilar em Democracia. Além disso, é sempre bom que o universo de votantes seja substancialmente maior que o universo dos lugares por distribuir, não haja a tentação de conquistar votos com a promessa de tachos.
VOTO REPRESENTATIVO: quem vota está informado, integrado. Mais do que isso, é mais fácil a cada candidato chegar ao eleitorado, sem as dificuldades logísticas, financeiras e práticas de um universo gigantesco ou desconhecido. Voto informado = decisão mais consciente.
 
Os “defeitos”
DIRECTAS: votantes menos informados, votam por “ouvir dizer”, são mais facilmente “encarneirados”. E aí ganha quem tem “arte” para fazer militantes... Ou quem o populismo ditar.
VOTO REPRESENTATIVO: fica no ar a ideia de arranjo entre interesses. A decisão não passa por toda a instituição.
 
A verdade é que as Directas existem no PSD e na JSD em maior número que as eleições por voto representativo. Só concelhias são cerca de 320, esmagando as 22 estruturas em que o voto é representativo (distritais, regionais e nacional).
 
Todos nós vimos pessoas sérias perderem para corruptos, preguiçosos ganharem a dinâmicos, competentes perderem para incapazes. Com ou sem Directas. De autárquicas a distritais, a única fórmula é ter mais votos há sempre formas chico-espertas de os conseguir..
 
Em termos de resultados eleitorais, é irrelevante defendermos um modelo ou outro - quem “domina” os votos na sua secção não está preocupado com o modelo. (Embora a comunicação social possa fazer estragos em votantes mais “soltos”).
 
Portanto, se em termos de resultado final a diferença será pouca, eu (depois muito reflectir) opto pelo modelo de Princípio: “um homem, um voto”.

»

uma infusão de Paulo Colaço às 14:08
link directo | vai uma chávena?

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Chávenas recentes

Dou o exemplo da ascensão de Hitler tantas vezes.É...
If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...