Chá quente

António Barreto nunca des...

Bruno de Carvalho foi à Ó...

Coisas que a História nos...

O efeito Rio

Um dilema chamado Ronaldo

Chá frio

Junho 2018

Maio 2015

Junho 2014

Abril 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Chás mais bebidos

quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu
quem já bebeu

O Bule

todas as tags

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Resposta II

Acho que tenho pouco poder de encaixe quando leio críticas às juventudes partidárias.

Li isto e respondi assim (aguardo moderação do comentário):

 

Caro João Ferreira Dias,

 
Li o seu texto e, se o Congresso da JSD lhe sugere uma reflexão, o seu post sugere-me duas.
 
A primeira: enquanto continuarmos a falar de cor, daremos razão aos que consideram a blogosfera a meta da decadência mental, nas palavras de Almada.
Um dos candidatos à liderança da JSD (o que conheço melhor) foi docente na Faculdade de Direito de Lisboa, é jurista da área fiscal e tem propostas publicadas no âmbito dos temas de relevância para a JSD. Gere grupos de trabalho dedicados e motivados na procura de novas ideias e soluções.
Podemos, claro que sim, não querer saber disso para nada. Podemos criticar mesmo sem conhecer. Podemos até nem sequer reconhecer quando, por precipitação, fomos injustos.
Cada um funciona de sua forma. Eu ficaria incomodado se percebesse que o meu repentismo me aproxima do pior da trica parlamentar, em que a preocupação na forma suplanta a do conteúdo.
 
A segunda: quando tantos homens e mulheres se demitem do seu dever de construção e direito de participação, não deixa de ser estranho que o dedo esteja apontado precisamente àqueles que, muito novos ainda, se preocupam.
A filiação em juventudes partidárias ou a participação em associações de estudantes da escola secundária são, normalmente, os primeiros momentos de afirmação de um pensamento, de uma atitude para mudar e melhorar.
Condenemos estes jovens, acusemo-los de carreirismo e estaremos a promover o afastamento dos que se incomodam com a crítica, deixando lugar aos mais obstinados que são, em muitos casos, os menos capazes e conscienciosos.
 
Entrei para a JSD aos 14/15 anos. Hoje tenho 32, sou membro de uma assembleia municipal e sócio de uma agência criativa.
Se há quem diga que a tropa fez os homens, eu digo que a JSD faz seres sociais, preparados para inúmeros desafios, capazes de dirigir ou integrar equipas, aptos a trabalhar sob pressão ou debaixo da crítica.
A mim, a JSD deu-me tantas e tantas vezes o gosto de ver aplicadas medidas que ajudei a criar e desenvolver.
 
Textos como o seu relembram-me um velho professor de latim: o mal do mundo é o pessimismo militante em que tantos se enrodilham.
Desenrodilhe-se: quando tiver tempo, passe pelo psicolaranja.blogs.sapo.pt e veja o que os “carreiristas” são capazes de escrever, pensar e promover.
 
Saudações e releve qualquer excesso de linguagem em que eu tenha incorrido.
uma infusão de Paulo Colaço às 21:04
link directo | vai uma chávena?

Servido por

Paulo Colaço

pesquisar aqui

 

Instagram

Instagram

Outras infusões

subscrever feeds

Chávenas recentes

Dou o exemplo da ascensão de Hitler tantas vezes.É...
If justice would ever Justa there would be so many...
Outra versão interessante encontrada no tubo. http...
Alguém que diz que, num casal homossexual, "um hom...
Deixemo-nos de ingenuidades...a rédea curta nos ga...